Lula disse que bebê nascidos de meninas depois de um estupro são monstros, ele falava contra o PL 1904.
Reprodução/Secom

Lula chama de monstros bebês nascidos após estupro

Lula disse que bebê nascidos de meninas depois de um estupro são monstros, ele falava contra o PL 1904.

Nesta terça-feira (18), em uma declaração contundente, Lula afirmou ser contra a prática do aborto, mas destacou que bebês nascidos de um ato de estupro são como “monstros”. Lula criticou a discussão no Congresso sobre o projeto de lei antiaborto, que equipara o procedimento realizado após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio.

A Câmara dos Deputados aprovou o regime de urgência para a tramitação do projeto de lei 1904/24 na semana passada, e agora a decisão de pautá-lo para votação no plenário está nas mãos do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). O avanço do projeto tem gerado críticas de movimentos sociais e parte da mídia, com negociações no Legislativo para adiar a votação até depois das eleições municipais.

Lula criticou o modo como a discussão está sendo conduzida, afirmando que é necessária uma abordagem mais madura. Segundo ele, as mulheres devem ter o direito de decidir sobre a continuidade de uma gestação resultante de abuso.

Lula chama bebês de monstros: “Que monstro vai sair dessa menina?”

“Por que uma menina é obrigada a ter um filho de um cara que a estuprou? Que monstro vai sair do ventre dessa menina? Então essa é uma discussão mais madura, não é banal como se faz hoje”, afirmou Lula em entrevista à rádio CBN.

Ele também criticou a tramitação do projeto e o autor da proposta, o deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). “O cidadão diz que fez o projeto para testar o Lula. Eu não preciso de teste, quem precisa de teste é ele. Quero saber se uma filha dele fosse estuprada, como ele se comportaria”, declarou.

Lula, que pessoalmente se posiciona contra o aborto, ressaltou a necessidade de tratar o tema como uma questão de saúde pública. “O aborto tem que ser tratado como uma questão de saúde pública. Não pode continuar permitindo que a madame vá fazer um aborto em Paris e que a coitada morra em casa tentando furar o útero com uma agulha de tricô”, disse.

O presidente classificou a discussão como um “retrocesso” na legislação e defendeu uma abordagem mais madura na sociedade. “Estamos no século 21, e estamos retrocedendo nessa discussão, voltando atrás”, afirmou.

Lula também criticou o surgimento de uma “extrema-direita ativista” no Legislativo brasileiro, que, segundo ele, não tem experiência pragmática na política e se baseia em mentiras. “Estamos vivendo outro mundo, outra realidade”, comentou.

Finalizando sua declaração, Lula disse que não gosta de discutir pautas de costumes e que a questão do aborto “não tem nada a ver com a realidade”. “Sinceramente, acho que essa coisa não deveria nem ter entrado em pauta. O tema do Brasil não é esse”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sugira a pauta

Pesquisa de satisfação

De 0 a 10, quanto você indicaria a Área de membros da família Te Atualizei para um amigo ou familiar?